Seus Direitos: Norma coletiva não pode suprimir adicional noturno, aponta decisão

Destaque de hoje na coluna jurídica.

Em 23/06/2020 19:30
Atualizado em 23/06/2020 19:42

Notícia por Luciana Zanco

Seus Direitos: Norma coletiva não pode suprimir adicional noturno, aponta decisão

Vamos para mais uma notícia bem interessante que separei para você que me acompanha. Trata-se de mais uma decisão importante em favor aos direitos do trabalhador. Confira a reportagem publicada pelo Tribunal Regional do trabalho de Santa Catarina - TRT/SC

A autonomia das partes para negociar cláusulas do contrato de trabalho não permite a supressão de direitos de ordem pública, revestidos de indisponibilidade absoluta. Com esse entendimento, a Justiça do Trabalho de SC considerou inválida a cláusula de um acordo coletivo e condenou uma indústria de motores elétricos catarinense a pagar cinco anos de adicional noturno retroativo a um soldador de Blumenau (SC).
 
O empregado atuava de segunda a sexta, das 14h18 às 23h36, e disse nunca ter recebido adicional pelo horário trabalhado após as 22h, conforme determina o art. 73 da CLT. A empresa reconheceu o trabalho noturno mas alegou que supressão da parcela seria autorizada por acordo coletivo firmado com os sindicatos da região, que prevê a compensação do intervalo trabalhado à noite por folgas aos sábados.
 
Segundo o documento, o período de trabalho que ultrapassar 22h até 23h36 "não será considerado como horário noturno, para qualquer fim”. Outra cláusula prevê ainda que o adicional noturno “não se aplica aos trabalhadores, que, para fins de compensação do trabalho aos sábados, necessitam estabelecer horários de compensação que adentrem o período das 22h às 05h”.
 
O argumento não foi aceito pela juíza do trabalho Débora Godtsfriedt (1ª Vara do Trabalho de Blumenau), que julgou o caso em agosto do ano passado. A magistrada apontou que a negociação coletiva não poderia suprimir o direito ao pagamento do adicional noturno e a aplicação da hora noturna reduzida (52 minutos) por tratarem-se de medidas de higiene, saúde e segurança do trabalhador, garantidas por normas de ordem pública (lei).
 
“Embora de fato haja aludida previsão de supressão do adicional, a respectiva cláusula é inválida, uma vez que não é possível a supressão de direitos de ordem pública por normas coletivas”, sentenciou a juíza. Por não ter considerado a hora reduzida no cálculo da jornada noturna do soldador, a empresa também foi condenada a pagar horas extras. 
 
“Patamar civilizatório”
 
Após recurso da empresa, o caso voltou a ser julgado pela 3ª Câmara do TRT-SC, que de forma unânime manteve a decisão de primeiro grau. Segundo o relator, desembargador Nivaldo Stankiewicz, negociação coletiva não pode ser feita por "atos estritos de renúncia" e tampouco alcança direitos revestidos de indisponibilidade absoluta, como o adicional noturno.  
 
“Tais parcelas constituem um patamar civilizatório mínimo que a sociedade democrática não concebe ver reduzido em qualquer segmento econômico-profissional, sob pena de se afrontarem a dignidade da pessoa humana e a valorização mínima do trabalho”, avaliou o magistrado.
 
Ao concluir, o relator afirmou que a linha de raciocínio adotada não deslegitima a negociação coletiva, apenas reconhece seus limites. “Não se pode dar demasiada amplitude ao princípio da autonomia da vontade coletiva a ponto de sacrificar direitos trabalhistas historicamente consagrados, inclusive no texto constitucional”, ponderou.
 
Depois da publicação do acórdão, a empresa apresentou embargos de declaração, instrumento que permite às partes esclarecer dúvidas, omissões ou contradições no texto dos julgamentos. Quando a decisão desses embargos for publicada, elas terão prazo de oito dias úteis para recorrer ao Tribunal Superior do Trabalho (TST), em Brasília.  Processo nº 0000199-94.2019.5.12.0002

Texto: Fábio Borges / Foto: pixabay Secretaria de Comunicação Social - TRT/SC

Curtiu nossa coluna? Compartilhe! Esclarecimentos, e/ou sugestões de assuntos podem ser encaminhados para nosso contato de e-mail abaixo.

Dra. Luciana Zanco  lucianazancoadv@gmail.com

Resultado de imagem para facebook png pequeno  

 

Sua aposentadoria....

que tal nós calcular como ela está?

Cálculos sobre Previdência:

Já sabe como está sua corrida rumo aos 30/35 anos de contribuição na previdência? Que tal nós darmos uma olhadinha para você? Ou será que você não se encaixa em outra possibilidade? Preencha o formulário abaixo, e deixe o resto conosco.

PREVIJÀ

 

VIU ESSA....

COMISSÁRIA DE VOO VAI RECEBER ADICIONAL DE PERICULOSIDADE SOBRE HORAS VARIÁVEIS

Comissária de voo vai receber adicional de periculosidade sobre horas variáveis

Sempre tem novidades...

veja os detalhes desta ação acessando a reportagem.

Leia mais

Sempre tem novidades...

Tags da postagem

direitos trabalhador adicional noturno decisão processo condenação soldador local Advogada Luciana Zanco Advogada previdenciarista Advogada advogados Quilombo Chapecó Santa Catarina brasil Rolândia PR 23 de junho de 2020